Enviada em: 11/10/2018

Promulgada pela ONU em 1948, a Declaração Universal dos Direitos Humanos garante a todos os indivíduos o direito a educação, saúde, segurança, transporte e ao bem-estar social. Conquanto, os problemas enfrentados acerca do transporte público urbano impossibilitam que parcela da população brasileira desfrute desse direito universal na prática. Nessa perspectiva, esses desafios devem ser superados de imediato para que uma sociedade integrada seja alcançada.        Em primeira análise, cabe pontuar que desde a Revolução Industrial os modais se modificaram bastante com auxílio da tecnologia. Hodiernamente, ocupando a nona posição na economia mundial, seria racional acreditar que o Brasil possui um sistema público eficiente. Contudo, a realidade é justamente o oposto e o resultado desse contraste é claramente refletido nos meios de locomoção. Dados do portal de notícias G1, destacam essa primazia nas principais capitais do território, notoriamente nos horários de pico, que a comunidade está ativa para se deslocar para o trabalho e escola. Perante o exposto, é inaceitável que, com a alta cobrança de tributos imposta ao cidadão, ele não possa contar com o Estado para solucionar a logística estrutural em nossos dias.        Ademais, convém frisar que a campanha industrial na obtenção de bens não duráveis como os automóveis, impulsionaram a incapacidade locomotiva, principalmente nas grandes cidades. De acordo com o físico Isaac Newton, “dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço”, mas a ideais de impetrabilidade não se aplica a vida de quem necessita usufruir de ônibus, trens e metrôs, em que ocorre a superlotação dos mesmos e incapacidade se suprir as demandas locais de mobilidade. Diante de tal contexto, é perceptível que o trabalhador é o que mais sofre com essa mazela, e apresenta-se como danosa a qualidade de vida do tecido social, e sua contribuição com o desenvolvimento do país.       Infere-se, portanto, que medidas são necessárias para resolver o impasse no que concerne os desafios do transporte nas cidades. Nesse sentido, o Ministério de infraestrutura e logística, fomente a implementação de transportes alternativos como a bicicleta e com auxílio da tecnologia crie aplicativos que informe onde o trânsito está conturbado dando-lhe alternativas viáveis, além de promover a restauração de ônibus que encontram-se em precário estado e promover a criação de mais vias de acesso e melhorar o tempo de deslocamento. Espera-se com isso, minimizar gradativamente a problemática e conseguir esse direito na prática....