Enviada em: 25/09/2017

Numa das aventuras do universo de "Doctor Who", milhares de pessoas, em uma situação de vida ou morte, demoravam anos para se deslocarem, por meio de seus automóveis, até um local seguro. Fora das telas, no Brasil, a problemática da mobilidade urbana persiste e segue como obstáculo na vida de muitas pessoas. Situação essa que necessita de mudanças.  Através da ascensão e expansão do capitalismo de produção, a fabricação e o incentivo ao uso de automóveis rodoviários foram intensificados. Devido a isso, juntamente com o mal planejamento urbano, a mobilidade nos centros urbanos foi afetada radicalmente, sendo um dos principais efeitos disso o aumento do tempo de deslocamento até determinadas distâncias, ocasionado pelo grande contingente de veículos e pela limitação espacial das vias. Além disso, tal fenômeno geográfico é responsável, também, pelo aumento da emissão de CO2, advindo da enorme quantidade de automóveis, gerando, assim, prejuízos ao meio ambiente.  Ademais, o problema está longe de ser resolvido. Segundo Paul Atson, cofundador do Greenpeace, inteligência é a habilidade das espécies de conviverem em harmonia com o meio ambiente, e a persistência do Estado com relação ao incentivo no uso dos veículos rodoviários dificulta a prática de um planejamento urbano eficiente. Um reflexo disso é possível de ser visto na questão das ciclovias, vias eficientes e limpas que não são receptoras das devidas atenções, pois o foco, nas tentativas de resolução desse problema, está sempre nos automóveis.  Por conseguinte, fica evidente a necessidade da ocorrência de mudanças. Para isso, é necessário que o Estado mude o foco da resolução do problema e use parte dos impostos recolhidos para a criação de mais ciclovias, incentivando, por meio das mídias digitais, o seu uso. Também, em parceria com ONGs, o Governo Federal deveria implementar um projeto de aperfeiçoamento e construção de mais calçadas, faixas de pedestres e passarelas, a fim de ampliar o horizonte de possibilidades para uma boa mobilidade urbana....