Redação: Violência de gênero nas universidades brasileiras: como enfrentar esse problema?

Roberta Rinaldi Exemplo de redação

A série estadunidense “13 reasons why” explora uma temática bastante discutida no cenário hodierno: a questão da violência de gênero. Na obra, garotas são vítimas de inúmeras formas de agressão física e psicológica, algo que extrapola a ficção e se faz incisivo no mundo real feminino. Além disso, percebe-se que esse tipo de ato [1] se faz acentuadamente presente em áreas universitárias, o que contraria as diretrizes marcados pelo teor de intelectualidade. Nesse sentido, para entender essa dúbia conjuntura, faz-se necessário discutir acerca das raízes e das práticas culturais que contribuem para a permanência da vicissitude. [5]

É sabido que a inferiorização da mulher na sociedade é um problema estrutural com origem ainda na Antiguidade. Sob a premissa de que o sexo feminino era útil apenas no quesito procriação, as principais noções gregas de cidadania foram instituídas de modo a excluir todo esse grupo. Dessa forma, com o passar dos anos, embora tal concepção tenha sido aperfeiçoada e se estendido às mulheres, nota-se que os resquícios dessa visão misógina perduraram na Idade Contemporânea. Um caso que ilustra claramente essa situação, [2] acomete a história da cientista [3] Marie Curie que, apesar de ter possuído um intelecto excepcional, esteve às sombras de seu esposo para alcançar credibilidade, sofrendo com os efeitos do machismo em suas pesquisas. [6]

Não obstante a essa circunstância, cabe dizer que a incessante luta de figuras femininas por espaço no meio acadêmico torna-se ainda mais acentuada com a manutenção da percepção de superioridade de alguns homens, sejam eles colegas de classe ou professores. A frequente associação da mulher ao serviço doméstico elencada à sua objetificação no ambiente universitário [4] ilustram categoricamente a falha da sociedade em enfrentar e combater a violência de gênero. Em conformidade com o pensamento do filósofo George Santayana, a falta de observação de imbróglios passados impede a possibilidade de progressos, algo observado na recorrência de casos de assédio sexual, desqualificação intelectual e, até mesmo, de estupro nesse cenário. [8]

Dessarte, mediante o exposto, torna-se indubitável a urgência de medidas que venham mitigar tal situação. Para tanto, é interessante que os diretórios acadêmicos – responsáveis pela intermediação entre alunos e órgãos de representação geral – em parceria às reitorias das universidades, trabalhem no enrijecimento das normas que regem o tema violência de gênero. Desse modo, por meio do aumento da fiscalização e da punição daqueles que cometem práticas do tipo, é possível garantir academicista saudável para todas as mulheres. Ademais, é de grande valia que os setores audiovisuais das universidades promovam cartazes que, espalhados pelas salas e blocos das faculdades, preguem a demonização e a coibição dessa violência, assegurando, assim, o fim de repulsivos atos machistas. [7][9][10]

Avaliação por competência:

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta:

[1] Quando não há elemento atrator de próclise antes do verbo, usa-se ênclise. Revisar as regras de colocação pronominal. Correção: faz-se.

[2] Não se usa vírgula aqui, afinal, ela não pode aparecer entre sujeito e verbo.

[3] Usar vírgula para separar a oração deslocada a seguir.

[4] Novamente, não separar sujeito e verbo.

[9] Bom domínio da norma culta, pois texto apresenta poucos desvios relacionados a ela!

Competência II – Compreender a Proposta:

[5] Introduziu bem o tema! Além disso, trouxe uma tese para o texto e ela foi mantida durante a redação.

[10] O texto atende muito bem à estrutura exigida (introdução-desenvolvimento-conclusão).

Competência III – Selecionar e relacionar argumentos:

[6] Os argumentos são relacionados com a tese, foram muito bem selecionados e organizados em busca de um ponto de vista. Ademais, discutiu os problemas na ordem em que foram apontados na tese, formando, consequentemente, uma argumentação consistente.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação:

[8] Ao longo do texto, não houve demonstração de problemas para articular as partes do texto e os pensamentos construídos, conseguindo formar uma sequência lógica de ideias. Além disso, apresentou um ótimo domínio do uso dos elementos coesivos, como conjunções, pronomes relativos ou pronomes demonstrativos.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema:

[7] A proposta é relacionada ao tema e à discussão, com solução para todos os problemas apontados, na ordem em que foram discutidos, detalhando o que fazer, como fazer, os meios e os participantes da proposta. Portanto, foi considerada uma proposta adequada!

Nota: 960

Gostou? Veja o tema de redação AQUI e escreva a sua! Bons estudos! 🙂

Vamos debater sobre?